Voz rouca em crianças é normal?

Exames PEATE / BERA
8 de julho de 2019

 

Quantas vezes você já não ouviu alguém dizer sobre uma criança: “ele (a) tem uma voz rouquinha mesmo! Ah, mas sempre foi assim!”? Ou então “Ele (a) faz tanta força para falar que acaba ficando sem voz. Depois volta, normal!”?

A disfonia infantil é a voz rouca ou a perda da voz da criança. Ela é a perda da plena capacidade de comunicação através da voz que pode, por vezes, acontecer por cansaço, dor ao falar, ou por falar menos, com uma voz de volume mais baixo, fazendo um esforço grande para isso. Estes sintomas não devem ser considerados normais e devem ser averiguados.

Quando a criança sente dor, os pais normalmente se preocupam mais. Mas se o sintoma é mais sonoro, ou há “apenas” perda da qualidade vocal, normalmente não se dá muita importância para isto. É importante que se preste mais atenção à disfonia infantil! Ficar sem voz é difícil. Emocional e fisicamente é um fardo: por não conseguirmos nos expressar de forma plena e pelo gasto de energia que exige.

A rouquidão quer dizer que a laringe não está funcionando bem. A laringe é o órgão responsável pela passagem do ar que vem dos pulmões e pela emissão da nossa voz. Na nossa laringe estão as nossas pregas vocais, que são duas faixas de músculos e mucosa que, ao vibrar, emitem o som.

Falar não deve doer nem tampouco trazer desconforto. Cantar também não deve doer. Estes são sintomas de que algo não está indo bem e que se precisa da ajuda de profissionais especializados. O otorrinolaringologista vai diagnosticar o que acontece e a fonoaudióloga vai tratar e cuidar desta voz.

Existem dois tipos de problemas de voz: os de nascença (ou congênitos), e os adquiridos, que são os que chamamos de mau uso ou abuso vocal: falar demais em forte intensidade, gritar muito, chorar muito, rir muito, tossir muito, comemorar gritando, pigarrear demais.

Algumas crianças já nascem com algum tipo de alteração em suas pregas vocais e, quando começam a falar, apresentam um som rouco, alterado. Estas são, geralmente, de origem genética, e provavelmente o pai ou a mãe desta criança também apresentam uma voz mais rouca ou com um som diferente. Estas vozes também devem ser averiguadas e tratadas.

Crianças que gritam muito, choram muito alto, riem muito alto também, podem apresentar disfonia.

Infecções respiratórias podem levar a disfonia devido aos medicamentos que trazem muita secura à mucosa, que fica desidratada. Então, atenção: todos nós precisamos beber bastante água! A pouca ingestão de líquidos também pode ser uma das causas da disfonia e outro fator desencadeante de disfonia são as alergias crônicas, pois há uma inflamação da mucosa, e as pregas vocais são também mucosa!.

Quando procurar ajuda?

Você deve procurar tratamento sempre que perceber que seu filho (a) está rouco por mais de uma semana, sem alteração do quadro, ou quando sentir que ele faz muito esforço para falar e se comunicar de forma devida ou reclama de dor quando para de falar.

Como se dá o tratamento?

O tratamento se dá em forma de terapia fonoaudiológica, após o diagnóstico do otorrinolaringologista. Esta terapia consiste em orientações à família e à criança; modificação ou eliminação de padrões vocais adquiridos que não sejam adequados ou saudáveis; modificação do abuso vocal e dos comportamentos vocais não saudáveis e, por fim, exercícios vocais e respiratórios.

Há algumas dicas para manter a saúde vocal do seu filho (a):

  • Faça com que ele (a) beba bastante água para hidratar a mucosa, lembre-se que as pregas vocais são músculos, mas também mucosa!
  • Insista para que seu filho não grite e utilize o tom de voz normal quando fala;
  • Evite leva-lo à ambientes muito cheios de fumaça;
  • Evite choques bruscos de temperatura
  • A maçã funciona com um adstringente para a gar;ganta e ajuda a tirar secreções que podem atrapalhar o movimento das pregas vocais;
  • Evite balas e pastilhas para a garganta. Elas têm muitas substâncias químicas e podem provocar o ressecamento da mucosa;
  • Seu filho deve dormir bem. Nada como um bom sono para relaxar a musculatura e ajudar a voz;
  • Cuide de sua voz! Comunicação é essencial! Procure sempre um profissional capacitado que lhe dê boa orientação e apoio!

 

Como se dá o tratamento?

O tratamento se dá em forma de terapia fonoaudiológica, após o diagnóstico do otorrinolaringologista. Esta terapia consiste em orientações à família e à criança; modificação ou eliminação de padrões vocais adquiridos que não sejam adequados ou saudáveis; modificação do abuso vocal e dos comportamentos vocais não saudáveis e, por fim, exercícios vocais e respiratórios.

Há algumas dicas para manter a saúde vocal do seu filho (a):

Faça com que ele(a) beba bastante água para hidratar a mucosa, lembre-se que as pregas vocais são músculos, mas também mucosa!

Insista para que seu filho não grite e utilize o tom de voz normal quando fala

Evite leva-lo à ambientes muito cheios de fumaça

Evite choques bruscos de temperatura

A maçã funciona com um adstringente para a garganta e ajuda a tirar secreções que podem atrapalhar o movimento das pregas vocais

Evite balas e pastilhas para a garganta. Elas têm muitas substâncias químicas e podem provocar o ressecamento da mucosa

Seu filho deve dormir bem. Nada como um bom sono para relaxar a musculatura e ajudar a voz

Cuide de sua voz! Comunicação é essencial! Procure sempre um profissional capacitado que lhe dê boa orientação e apoio!

Fonte: Minha Vida