Sinusite Crônica, Quando Operar?

Tontura no Idoso
5 de dezembro de 2018
Tontura e Alimentação
6 de fevereiro de 2019

Sinusite Crônica, Quando Operar?

Estudos recentes tendem a mostrar uma eficácia maior da indicação precoce de cirurgia com o fim de prevenir o uso excessivo de antibióticos.

Somente em Londrina, estima-se que cerca de 27.000 pessoas sofrem com a sinusite crônica. Pessoas com essa doença podem apresentar nariz entupido, catarro amarelado, perda do olfato, dor de cabeça, sensação de líquido descendo por trás da garganta, pigarro e tosse contínua. Para ser crônica, os sintomas têm de persistir por mais de três meses.

Geralmente, o tratamento inicial se faz com a lavagem nasal com soro fisiológico e sprays nasais de corticoide. Contudo, estudos recentes tendem a mostrar uma eficácia maior da indicação precoce de cirurgia. Defendem que quando realizada mais cedo, diminui a necessidade do uso de corticoides e antibióticos para o controle da doença e, algumas vezes, a cura.

O excesso de antibióticos além de levar a um aumento da resistência bacteriana, pode alterar a microbiota da pessoa que os ingere. A microbiota é formada pelas bactérias que vivem normalmente no nosso corpo como comensais. Estas não levam à doença e, até mesmo, nos protegem. A necessidade contínua de antibióticos pode alterar essa nossa flora normal e, hoje, afirma-se que pode ser um dos motivos para a sinusite se tornar crônica.

A cirurgia endoscópica funcional do nariz por vídeo, técnica atualmente mais indicada para esses casos, melhora a visualização do campo operatório para o médico e possibilita a realização de uma drenagem mais eficaz dos seios paranasais.

As novas tecnologias, entre elas o shaver e a navegação intra-operatória, melhoraram a eficácia e segurança da cirurgia para a rinossinusite. O shaver é um moderno aparelho que agiliza e torna mais precisa a cirurgia nasal. A navegação intra-operatória possibilita uma grande segurança no acesso a regiões delicadas dentro da cavidade nasal. Com esse último instrumento, baseado na tomografia computadorizada realizada antes da cirurgia, o cirurgião localiza perfeitamente as estruturas anatômicas do nariz e o local onde a doença deve ser eliminada.